sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Lenda urbana

No passado sábado de manha, bem cedo, como exigem certas e determinadas tarefas como foi o caso, fiz uma pequena visita a um dos locas mais heterogéneos e fantásticos do Porto - A Feira da Vandoma! Feira que é bem conhecida (pelos que a conhecem) pela enorme panóplia de produtos em segunda mão que por lá se podem encontrar! Desta vez e contrariamente ao que já fiz num passado bem “presente” não fui tentar ganhar uns trocos mas sim numa tentativa e infelizmente frustrada de encontrar alguns artigos recentemente roubados… Sim! É o local onde devem ir quando se apercebem que foram assaltados por exemplo numa sexta-feira à noite! Eu próprio já assisti a uma ou duas recuperações desses ditos artigos pelos seus legítimos proprietários, sempre acompanhados por dois agentes da Polícia de Segurança Pública! Após a minha visita, e como ainda tinha algum tempo disponível (sim porque a abertura da feira é ás 6.00, da manha, claro), resolvi fazer um passeio pelas ruas do famoso bairro das Fontainhas. Neste meu passeio matinal fui em direcção à antiga ponte ferroviária da cidade para ver em que andamento estaria a obra que tanto ouvi falar no jornal. Vi e fiquei bastante contente com o que vi! Pelo menos está em obras, pensei. Não é mais um dos monumentos que vai ser deixado para trás! Acabei por dar mais umas voltas por aquela tão típica zona do Porto quando reparei num pequeno miradouro sob o Rio Douro que me convidou a apreciar o que de tão belo tinha para mostrar. Pena não ter levado a máquina… Mas para a próxima já sei! Quando me sentei num pequeno muro deste tão escondido “ponto de vista” reparo num senhor que me pareceu ter vindo do nada, que me disse que sempre que cá vinha se sentia com as forças renovadas! Palavra puxa palavra e acabou por me dizer que tinha nascido e crescido naquela zona, conhecendo-a por isso, como a palma da sua mão. Concomitantemente os meus pensamentos andavam a vaguear entre as minhas imaginações de como seria o porto de há 50 ou 60 anos atrás e um livro que li há pelo menos 10 anos. Um livro que muita gente poderá ter lido e continuar a ler, uma vez que é intemporal! Falo-vos de um dos livros da colecção “Uma Aventura”, nomeadamente ”Uma Aventura no Porto”, principalmente no final do livro onde estava descrito o que era “real nesta aventura”. Confesso que este livro me marcou bastante, tendo deixado em mim o bichinho pela descoberta onde figuram as passagens (tão) secretas (que nunca as consegui encontrar), os subterrâneos, os símbolos e signos que sempre escondem alguma informação importante. Enfim… O certo é que naquele momento ganhei alguma coragem e perguntei ao senhor se alguma vez tinha ouvido falar num túnel que se pensa passar por baixo do rio, tão bem descrito nesse pequeno livro, cuja entrada ficava naquela zona (sim, porque nunca desisti de o procurar por isso já sabia alguns pormenores sobre ele como o suposto local de entrada, bem como algumas teorias para a sua utilização). Ao contrário de tudo o que podia esperar naquela altura, o senhor respondeu-me: “Claro que já! Se quiser até lhe mostro onde é a entrada!” Mesmo tendo a idade que tenho, e acreditem ou não, o meu coração começou a bater bem mais depressa, tendo ficado mesmo um pouco embaraçado comigo com o sucedido. Depois encolhi mentalmente os ombros e continuei atento à explicação como se fosse um miúdo a ouvir as instruções para o local onde foi enterrado o tesouro dos piratas! Acreditem ou não, aquando a minha chegada a este local, reparei numa grande porta de ferro que dava para uma espécie de cave, que como não podia deixar de ser, fui verificar se estava fechada (nesta altura ainda nem me passava pela cabeça a ideia do famoso túnel! Fui lá…porque sim). E… acreditem ou não, essa foi a porta que me foi apontada como sendo a porta de entrada para o túnel. Para além desta minha nova descoberta soube também que existe um outro túnel que vai da antiga PIDE que agora é o actual Museu Militar até á zona ribeirinha e que junto à entrada do primeiro túnel existia uma espécie de forno que a PIDE utilizava para a eliminação dos “restos das suas torturas”. Claro que o facto de existir um túnel que passa por baixo do rio me deixa bastante desconfiado, mas o facto de existir um relato que dele fale me deixa por outro lado muito curioso! Estes factos que conto são quase tudo o que sei sobre este assunto. Sim, leram bem, quase, ou achavam que ia contar tudo o que sabia? O que para mim foi também importante, e penso que uma lição para todos, é que por trás de uma lenda ou de um “boca-em-boca” existe sempre um fundo de verdade. Neste caso ficamos pelo fundo, uma vez que quase que já o vejo no fim deste túnel. Talvez um dia traga mais novidades sobre este mito…

1 comentário:

  1. Da ribeira até à "fantástica e hipotética entrada" ainda é um bom pedaço de caminho..talvez numa próxima expedição pelo Porto que é "tão nosso"...

    ResponderEliminar